Saiba mais Sobre a Insuficiência Renal Crônica – Parte III

Na parte 2, falamos sobre os sintomas da IRC. Nesse post, daremos dicas de como se auto-diagnosticar. Veja abaixo:

O primeiro ponto é muito importante para prevenir e, para isso, é preciso saber qual o grau de risco para contrair a doença. Veja uma lista de itens para que a pessoa analise e compreenda em qual grau de risco está:

Perguntas

Resposta

Pontuação

Tem entre 50 e 59 anos?

Sim

2

Tem entre 60 e 69 anos?

Sim

3

Tem mais de 70 anos?

Sim

4

É mulher?

Sim

1

Teve / tem anemia?

Sim

1

Tem pressão alta?

Sim

1

É diabético (a)? Sim

1

Teve ataque cardíaco ou derrame?

Sim

1

Teve / tem insuficiência cardíaca?

Sim

1

Tem doenças circulatórias nas pernas?

Sim

1

Tem presença de proteína na urina?

Sim

1

Conte a sua pontuação para cada uma das afirmações em que respondeu sim. Se a mesma for maior ou igual a 4, você possui no mínimo 20% de chance de ter a doença. Por isso, é importante procurar um médico, ou seja, um nefrologista, para que o mesmo faça um diagnóstico completo para que o problema seja identificado e tratado. Caso a pontuação tenha sido 0 a 3 pontos, os riscos são baixos, mas mesmo assim é muito importante fazer uma revisão completa, uma vez ao ano, para ver como anda sua saúde, especialmente se tiver mais que 20 anos.

Lembrando que o auto-exame é uma ferramenta para conhecer melhor sua situação atual, mas ele não serve como um diagnóstico definitivo, por isso, procure um especialista. A revisão anual deve ser levada a sério, ninguém deve esquecer. Algumas pessoas acabam não indo ao médico e, quando o fazem, já é tarde e estão num estágio avançado, o que acaba dificultando o tratamento.


Tenho 24 anos, sou Nutricionista graduada pela Universidade Anhanguera de São Paulo. Escolhi essa profissão por ela permitir que eu cuide da saúde das pessoas e leve o conhecimento necessário para que elas possam ter uma vida saudável.

Nenhum comentário

Deixar uma resposta

*