Vitaminas Boas para o Cérebro – Parte II

No post anterior, vimos a importância das vitaminas certas para o bom funcionamento do cérebro. Nessa parte, veremos as outras vitaminas e seus benefícios.

Vitamina D: sua principal função é proteger as células do cérebro de possíveis danos causados pelas agressões dos radicais livres. Ela ainda atua na recuperação dos neurotransmissores, os quais são responsáveis pelas recepções dos impulsos nervosos, que ficam localizados nos neurônios, auxiliando na prevenção da deterioração cerebral.

Vitamina A: Segundo pesquisas, essa vitamina atua como um poderoso antioxidante, pois age fazendo a proteção das membranas dos neurônios, que são células do cérebro, que acabam sofrendo mais com as agressões dos radicais livres, por serem muito frágeis. Ela também atua no sistema sanguíneo, reduzindo o perigo de ocorrer derrame cerebral ou infarto.

De acordo com especialistas, a vitamina ainda consegue neutralizar a poluição do meio ambiente, incluindo os efeitos nocivos da fumaça do tabaco reduzindo, assim, seus efeitos no corpo. Nas gestantes, sua dosagem deve ser prescrita com bastante cuidado, pois há relatos de má formação congênita no feto por causa de altas doses.

Vitaminas do complexo B: são de extrema importância para o desenvolvimento saudável de todas as células do cérebro. Veja como algumas vitaminas desse complexo atuam:

               Vitamina B9 (ácido fólico): ele pode atuar no alívio de sintomas como depressão, intensificando a circulação do cérebro. É de extrema importância, pois ele destrói uma substância tóxica, que pode causar danos às artérias, chamada de homocisteína.

               Vitamina B5 (ácido pantotênico): é essencial para a produção do acetilcolina, um neurotransmissor que atua na função da memória.

               Vitamina B12 (cobalamina): segundo as pesquisas científicas, a carência dessa vitamina pode resultar num quadro de diminuição da capacidade do cérebro como memória fraca ou redução do raciocínio, que estão associados ao envelhecimento dos seres humanos. Isso acontece, porque o ácido clorídrico degrada a vitamina B12 no estômago e, como consequência, sua quantidade no organismo diminui com o passar dos anos.

               Vitamina B1 (tiamina): ela faz parte de diversos processos do sistema nervoso periférico e do metabolismo do cérebro, atuando como um antioxidante bem potente, pois ela consegue potencializar a capacidade das vitaminas E e B6 de degradarem os radicais livres no organismo.

               Vitamina B6 (piridoxina): ela tem importante função no auxílio da conversão do açúcar acumulado na forma de glicose no corpo, o qual é essencial para as funções cerebrais, além dele atuar na proteção do vasos sanguíneos, prevenindo os problemas cardíacos. Seus benefícios são comprovados em relação ao sistema circulatório, pois ela consegue melhorar a memória.

               Vitamina B3 (niacina): ela tem a capacidade de fazer a conversão dos carboidratos em glicose, reduzir os níveis de colesterol e, ainda, auxiliar na síntese dos neurotransmissores cerebrais. Possui um efeito calmante, por potencializar a ação do GABA (neurotransmissor).


Tenho 26 anos, sou Nutricionista graduada pela Universidade Anhanguera de São Paulo. Escolhi essa profissão por ela permitir que eu cuide da saúde das pessoas e leve o conhecimento necessário para que elas possam ter uma vida saudável.

Nenhum comentário

Deixar uma resposta

*